Busca no BLOG

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

QUANTIDADE x QUALIDADE

BRAGANTINO JÁ TEVE 52 ATLETAS NESTA SÉRIE B

O ditado popular de que quantidade não é sinônimo de qualidade mais uma vez fez parte do planejamento do Bragantino para a Série B do Brasileiro de 2010. Ao todo o Bragantino já teve 52 atletas trabalhando com o técnico Marcelo Veiga durante esta competição. Alguns, inclusive, sequer chegaram a atuar; outros sequer foram registrados. Acompanhem a relação:

GOLEIROS (3): Gilvan, Rafael Defendi e Poti.

LATERAIS (9): Júlio César, Nego, Murilo Silva, Maurim (ainda não estreou), André Luiz, Bruno Peres (dispensado), Amaral (dispensado), Anderson (dispensado), Esquerdinha (encostado no clube).

ZAGUEIROS (9): André Astorga, Marcos Aurélio, Everaldo, Murilo Henrique, Emerson, Júnior Lopes, Gustavo, Maurício (recuperando-se de cirurgia no joelho), Da Silva (foi para o Sport Recife).

VOLANTES (8): Eder, Diego, Cícero, Célio (sequer foi aproveitado), Douglas (nem foi registrado), Francis  (liberado, mas continua na cidade), Ronaldo (dispensado), Rafael Araújo (dispensado).

MEIO CAMPO (11): Adriano (última contratação anunciada na semana passada), Luciano Sorriso, Rodriguinho, Marcelinho, Everton, Silas, Lúcio (liberado), Danilo Bueno (negociado), Guilherme Alves (voltou para a Ferroviária de Araraquara sem ser aproveitado), Bruno (também não foi aproveitado), André Belezinha (também não chegou a sequer assinar contrato).

ATACANTES (12): Thiago Cunha (contratado nesta segunda-feira), Léo Jaime, Welton, João Sales, Sílvio, Tiaguinho (ainda não foi aproveitado), Juninho Quixadá (entregue ao departamento médico), Alex Afonso (negociado), Hyantoni (dispensado), Fabrício Carvalho (entregue ao departamento médico), Marlon Cássio (contratado em julho e nem sequer foi registrado), Osmar.

OBS: o número de atletas é tão elevado que me dou o direito de ter esquecido de alguém. Se você leitor do BLOG lembrar de mais algum nome, por favor, nos envie.

Alguns destes atletas apenas treinaram, mas não deixaram de ao menos ocupar o tempo e o espaço que outros poderiam estar aproveitando.