Busca no BLOG

quarta-feira, 20 de abril de 2011

GILVAN PODE ESTAR DEIXANDO O BRAGANTINO

GOLEIRO PARTICIPOU DO PROGRAMA "FUTEBOL TOTAL" E DEIXOU UM TOM DE DESPEDIDA NO AR

O goleiro do Bragantino, Gilvan, 171 partidas como titular e capitão do time em diversas ocasiões, está de saída do clube. Os motivos nem ele mesmo sabe explicar. Seu contrato vai até o final deste ano. Depois de ser titular durante o Paulistão em 16 dos 18 jogos disputados (ficou fora do jogo contra o São Paulo e a Portuguesa, por contusão), ele foi para o banco de reservas no último jogo diante do Mogi Mirim.

Depois de 171 jogos como titular
Gilvan pode estar deixando
o Bragantino
Segundo o treinador Marcelo Veiga, Gilvan estaria naquele momento perdendo a posição de titular para Rafael Defendi. Fato estranho por se tratar da última rodada da competição e também por Defendi já ter atuado como titular - e muito bem por sinal - na derrota para o São Paulo (quando defendeu até um pênalti batido por Rogério Ceni) e no empate contra a Portuguesa. Pela ocasião, se Gilvan passasse a ser reserva de Defendi de lá para cá nada de anormal seria notado de forma tão evidente.

Gilvan esteve nos estúdios da FM 102, nesta quarta-feira, durante o Programa FUTEBOL TOTAL e afirmou que nos últimos dias tem sido tratado de forma diferente dentro do clube. "No meu contrato não diz que sou o titular, sou apenas mais uma peça e aceito a reserva normalmente, até porque o Rafael Defendi é um excelente profissional, mas o problema é quando a gente nota que as pessoas não estão mais contentes com a sua presença no local. Talvez seja o momento de realmente sair. Devo muito ao Veiga e ao Bragantino por terem acreditado em meu trabalho durante todo esse tempo. O problema maior no momento não é nem uma possível redução salarial, mas como as coisas estão caminhando", afirmou o goleiro em tom de despedida.

O contrato de Gilvan com o Bragantino vai até o final do ano, mas logo após o jogo contra o Mogi Mirim o treinador Marcelo Veiga e o presidente Marco Chedid afirmaram sobre a necessidade do clube reduzir o valor da folha de pagamento. Sendo assim, o goleiro que recebeu um reajuste salarial no final do ano passado, quando da renovação de seu contrato, deve mesmo ser liberado. O mesmo caminho deve acontecer com outros atletas que, talvez, nem se reapresentem na próxima terça-feira, dia 26.