Busca no BLOG

domingo, 9 de outubro de 2011

OS ERROS CAPITAIS DO ÁRBITRO EVANDRO ROGÉRIO ROMAN NO JOGO BRAGANTINO x VITÓRIA

DESTA FORMA, ELE ACABOU INFLUENCIANDO NO RESULTADO FINAL DO JOGO

Evandro Roman e seus assistentes erraram muito
no jogo Bragantino 2 x 2 Vitória-BA.
Prejuízo maior para o Bragantino.
FOTO: Sílvio Loredo
O árbitro Evandro Rogério Roman, da FIFA, teve uma atuação no mínimo desastrosa na tarde deste sábado, na condução do jogo, Bragantino 2 x 2 Vitória-BA. Vamos enumerar os seus erros no jogo:

1 - Logo aos 3 min, ele assinala uma falta em Diego Macedo, fora da área, sendo que o camisa 2 do Braga foi derrubado por Fernandinho, dentro da área. O assistente 1, Bruno Boschilia tentou lhe mostrar que a falta aconteceu dentro da área, mas ele não atendeu ao assistente, que deveria ter corrida para a linha da grande área, sinalizando ele o local da falta, já que estava melhor colocado.

2 - Aos 15 min da etapa final ele marca uma falta de Nino Paraíba que, ao cair segura a bola com as mãos. O lateral já tinha cartão amarelo e teria que ter sido expulso de campo.

3 - Aos 42 min, Lincom marca o segundo gol para o Bragantino. O assistente 2, Ivan Carlos Bohn assinala impedimento do atacante. No momento do cruzamento de Diego Macedo, tanto Lincom, como Finazzi, que foram para a bola tinham condições legais. O gol foi legal.

4 - No momento do gol de empate do Vitória, quando Fábio Santos e Xuxa estão na bola para darem a saída, Fernandinho está no campo do Bragantino. Portanto, em condição irregular.

5 - O último erro do árbitro aconteceu na marcação dos acréscimos da etapa final, vejamos:
   a) o goleiro Douglas foi atendido por 3'00" pelo departamento médico do Vitória que chegou a solicitar sua substituição e depois voltou atrás;
   b) na expulsão de Gilberto o jogo ficou paralisado cerca de 1'30"
   c) antes do Vitória cobrar o pênalti, aos 39 min, se passaram mais cerca de 1'30"
   d) foram realizadas cinco substituições e a FIFA determina acréscimo de 0'30" por alteração. Assim, teríamos mais 2'30";
   e) somado tudo isso e mais algumas paralisações na segunda etapa (demora para repor bola em jogo, demora para atleta substituído deixar o gramado, etc.) teríamos que ter um acréscimo entre 8 e 9 min, e não os 5 apontados.